26/04/07

III encontro intercultural de cerâmica 2007 do centoecatorze


este ano o encontro foi num parque público, parque da lavandeira inserido nos parques urbanos de gaia (cidade em frente ao porto, do outro lado do rio douro).

na Lavandeira decorre uma iniciativa de land art na qual nós, marisa alves e joaquim pombal, fomos convidados a participar, e ai construimos uma escultura cerâmica, conjuntamente com os ceramistas carlets e josep matés. Como coincidiu com a semana que tem sido normal realizar o encontro de cerâmica, a direcção do parque e a organização do evento de land art, resolveu apoiar a nossa iniciativa.

nos os ateliers abertos ao público em geral ,cada participante previamente inscrito, decorou um anel/cilindro cerâmico, já biscoitado, com técnicas de decoração a fumo ao mesmo tempo que ceramistas convidados davam largas á criatividade com a mesma técnica.

a coordenação dos ateliers foi de marc brocal(cataluha) e o grupo de artes Dez+ divulgando assim a cerâmica junto da comunidade.

Com o conjunto das peças decoradas vai ser realizada uma instalação de sobreposição de cilindros com uma altura máxima de 2,20m.

a obra colectiva ficará no parque da lavandeira inserida na iniciativa de land art.

+ FOTOS:
http://picasaweb.google.com/centoecatorze/IIIEncontroInterculturalDeCerMicaDoEspaOCentoecatorze2007


instalação dos aneis decorados pelos ceramistas convidados e pelo publico inscrito,durante o III encontro de cerâmica 2007 organizado pelo centoecatorze, este ano realizado no parque da lavandeira em gaia
Posted by Picasa
Posted by Picasa

prefurar o terreno para receber a instalação

escultura cerâmica no parque público da lavandeira - gaia

Nidificando no Farol


Marisa Alves I Carlets I Josep Matés I Joaquim Pombal

Cerâmica e cimento refractários. Cozida a lenha.

(90X 90X 400) cm

Nidificando no Farol, é o resultado da interacção e parceria entre os ceramistas portugueses, Joaquim Pombal e Marisa Alves e os ceramistas catalães, Carlets e Josep Matés, ao longo dos últimos anos. Tendo a cerâmica contemporânea como elemento catalisador, este grupo abraça o desafio Land Art – Lavandeira 2007, com o seu mais recente projecto, adaptando-o ao conceito de land art e especialmente à localização e integração no Parque da Lavandeira - Gaia.

O referido projecto – "Un pont de mar" – integra uma exposição itinerante com início em Portugal, e que se irá dirigir à Catalunha, e do mesmo resultam instalações poéticas e actuais, sendo esta escultura na Lavandeira uma experiência emblemática do grupo. Ao realizar um "farol", os autores querem, pelo seu simbolismo, significar a perfeita aproximação, interacção, conhecimento, geminação e complementaridade das suas culturas.

Durante o processo criativo foi tido em conta o conceito de integração na paisagem sob o ponto de vista humano, assim como a eventual interactividade contínua de fauna e flora. Por estes motivos foi escolhido um local do Parque reservado e com mais vegetação espontânea. Aproveitando também as aberturas iniciais feitas por necessidades técnicas da sua cozedura, foram criadas plataformas no interior da escultura e colocadas pequenas formas orgânicas em barro para facilitar o acesso das aves, tentando assim criar condições para que as cavernículas aí possam nidificar.

"Nidificando no Farol" , construída com a própria "gaia"(do grego – terra), simultaneamente foi performance efémera de fogo, durante a sua cozedura feita com lenha, e é elemento escultórico, que estará tanto mais integrado quanto mais for absorvido pela vegetação envolvente.




+ FOTOS
http://lavandeira-2007.blogspot.com/2007/04/joaquim-pombal-marisa-alves-carlets.html


Posted by Picasa
Posted by Picasa

21/04/07





final da cozedura da escultura


vegetação espontânea absorve escultura tal como os autores desejavam

02/04/07

espaço exterior do centoecatorze











o centoecatorze engloba uma área verde com um lago(piscina biológica), uma horta biológica e uma estação de tratamento através de plantas. para alem da galeria o espaço exterior está vocacionado a receber instalações, performances, concertos ou outras formas de expressão artística.

a necessidade de reciclar as águas do atelier e não poluir os solos, assim como ter um espaço de lazer onde a água isenta de químicos é condição primordial, levou ao contacto com Claudia Schwarzer, arquitecta paisagista e Udo Schwarzer, biólogo(pioneiros em portugal neste tipo de projectos) http://www.biopiscinas.pt

a tecnologia da ETEP faz uma verdadeira reciclagem de todas as águas usadas no atelier e residências ligadas a este espaço. Assim aproveita-se os efluentes da estação com plantas para fins de rega. Quando a água volta ao meio natural não compromete as utilizações ulteriores.