30/04/10

Árvore de fogo - Performance - 22 de Maio 2010









Cascais convida artistas para intervenção na Natureza
O Parque Natural de Sintra-Cascais será palco do Festival LandArt Cascais 2010, que decorrerá de 22 de Maio a 5 de Junho, na Quinta do Pisão, com organização da Cascais Natura, da Câmara Municipal de Cascais e da Fundação D. Luís I ( Centro Cultural de Cascais).
O LAND ART é um projecto que tem por objectivo dinamizar os espaços naturais com intervenções de artistas convidados, e dar a conhecer uma forma de arte impossível de confinar numa galeria, que utiliza como matéria-prima elementos e materiais provenientes da paisagem envolvente.
Por todas as razões subejamente já conhecidas, pela comunidade ceramista, é de importância fundamental, que neste tipo de eventos a cerâmica esteja a par das outras áreas artísticas, e por isso os residentes do espaço centoecatorze ao serem convidados para este evento, vão mais uma vez mergulhar no fascinante universo das chamas, apresentando uma performance de fogo.


A importância de criar, neste evento, através da terra (barro), um caule lenhoso, tem uma analogia com culturas do passado, onde as Árvores tinham uma simbologia mística que representava a capacidade de renascer. É esta capacidade que se quer representar ao criar uma árvore como tema central, dando uma visão de elemento vital integrador da paisagem, cultural e ecológica no mundo actual, e motivo de sensibilização e convite para a protecção da área envolvente.
Tal como o poder dos vulcões que simultâneamente destroem e dão nova vida com as suas fecundas cinzas, aqui, em vez de a árvore ser destruída pelo fogo como acontece nos incêndios florestais, é a própria árvore nascida da terra que cospe o fogo da renovação, e se coze a si mesma dando consistência ao barro cru modelado pelas mãos humanas. O grande impacto visual e calórico das chamas, no final da cozedura a mais de 1000°C, e a visualização da luminescência incandescente da própria peça com abertura da capa envolvente, que poderemos chamar de forno, são o culminar da performance acompanhada pelo ritmo de sons ancestrais e pelo crepitar da madeira a arder, levando a comunidade presente a partilhar afectos e emoções, estimulando a interactividade e o seu imaginário. 
Esta proposta, ao contrário das artes solitárias, em que o processo criativo é intimo e resguardado, é uma intervenção cénica aberta a um universo vasto de espectadores tanto na fase de construção comoprincipalmente, na noite da sua conclusão. É uma escultura não convencional utilizando técnicas invulgares, bem como o aparato da indumentária construtiva como objecto cénico, no espaço de acolhimento e intervenção durante o processo criativo.
O objectivo desta performance é a comunicação directa e presencial entre o desafio dos criadores e a resposta dos visitantes com sua multiplicidade de olhares, perante a iminente possibilidade de passagem de informação sobre o próprio evento e o conceito de LandArt.











Ficha técnica da escultura/performance
Autores -  Marisa Alves I Joaquim Pombal
Colaboradores - João Lourenço I Miguel Ramos
Técnica e materiais - Sais sobre pasta refractária(2000Kg), cozida a lenha in-situ 
Dimensões - aproximad. [100x100x500] cm
Local - eira da Quinta do Pisão . Parque Natural de Sintra-Cascais

Fases de execução:
 - Construção da escultura in-situ - início a  8 de Maio
 Executada directamente pelos autores e colaboradores
 - Secagem 
 - Construção do forno, cozedura e performance de fogo  / de 19 a 23 de Maio
Acompanhada de percussão/interacção com o público presente, durante as últimas horas antes da abertura do forno, que está prevista para o fim de tarde/noite - dia 22 Maio.


2 comentários:

mar antón disse...

No voy a poder ir!!!!!snif, snif, pero que buena pinta tiene, que lo paseis muy bien!!!!!

Cassiano disse...

Quando o Homem descobriu que o fogo lhe era util, alterou a sua vida.
Mas o fogo merece respeito, porque sempre esteve ligado às grandes catastrofes, mas tambem é um elemento regenerador. Vejam-se as florestas que ardem... As cinzas são o humus regenerador.
A Marisa e o Quim conseguem dominar o fogo, fazendo dele um elemento criador... Que belo espectaculo!!! Um abraço. C.Branquinho